Norman Greenbaum conta como foi a inspiração da clássica “Spirit in the Sky”, escrita em 15 minutos, e diz que não ficou perfeita.

O single “Spirit in the Sky” do Norman Greenbaum foi lançado nos EUA há 50 anos, em janeiro de 1970, e passou 15 semanas no Top 100, tornando-se a 22ª música mais vendida do ano.

“Me deparei com um cartão que dizia ‘Espírito no céu'”, disse Greenbaum à Rolling Stone. “E eram índios americanos sentados em frente a uma tenda, com o fogo aceso e tudo espiritual em relação ao que eles consideravam Deus, que era um espírito no céu (…) Então eu falei: ‘Isso é interessante’.

“Depois disso, eu estava assistindo ao Porter Wagoner [estrela country e apresentador de TV] e ele fez uma música sobre um mineiro que estava nas colinas, procurando ouro. Ele que tinha parado de frequentar a igreja por anos e anos, por algum motivo, decidiu que era hora de voltar. Então ele pegou sua viola, voltou para a cidade e, quando chegou à igreja, havia uma nota na porta que dizia: ‘O pastor está de férias’. ”

Essas duas inspirações se juntaram às memórias de Greenbaum com os filmes de cowboy, onde os bandidos “sempre queriam ser enterrados com os sapatos”. Ele continuou: “Tudo isso está começando a se conectar. Eu disse para mim mesmo: ‘Bem, eu nunca escrevi uma música religiosa (…) eu posso fazer. Apenas me sentei e tudo se encaixou. ”

A frase “never been a sinner / I never sinned” resultou em uma reação, já que o princípio de que todos nascem no pecado é central para o Cristianismo. Greenbaum, que foi criado na fé judaica, refletiu: “Quando eu disse que posso fazer isso, isso não significava que eu poderia fazê-lo perfeitamente. Não era minha religião; eu apenas fiz. Eu não pensei duas vezes. Tirei um pouco da seriedade disso, mas não fiz por brincadeira ou contra ninguém. Eu acho que as pessoas podem se ofender com quase tudo. Havia a música sobre o Jesus de plástico no painel do seu carro (referência à música Plastic Jesus do Billy Idol). Eles gostavam dela.”

Greenbaum ainda acrescentou: “Algumas igrejas colocam isso em seus cultos e o cantam com bastante frequência. Então ficou tudo bem. Para ser franco, não acho que esteja na lista de porcarias. “

Fonte: Rolling Stones